fbpx

3 Passos Fundamentais da Meditação para Atletas

Técnica de Meditação para Atletas

Técnica de Meditação para Atletas

Assim como qualquer exercício, para evoluir nesta técnica é preciso prática, repetição e frequência. Neste último artigo da nossa série sobre meditação, finalmente entenda o passo a passo para a sua aplicação prática em sua rotina diária e veja que ela pode ser mais fácil do que você imaginava.

A primeira coisa que pensamos ao ouvir falar de meditação é mente vazia, não pensar em nada, pernas cruzadas ou posições desconfortáveis as quais não podemos nos mexer um centímetro se quer, certo? Considerando este pensamento muito comum, apesar de todos os benefícios apresentados anteriormente em nosso blog, isto acaba nos parecendo uma prática um tanto quanto tediosa e nada estimuladora. Embora apenas parte disso não deixe de ser verdade, este é um erro muito frequente que acaba por frustrar e desanimar muitas pessoas que tentam começar na meditação.

Esqueça tudo o que sabe sobre meditação

Então, caro espartano, antes de prosseguirmos neste artigo pedimos que você ESQUEÇA TUDO O QUE SABE OU OUVIR FALAR SOBRE MEDITAÇÃO. Sim, abandone qualquer crença limitadora sobre esta técnica e surpreenda-se com a sua simplicidade e praticidade. Ela pode ser muito mais fácil do que você imaginava, basta separar 10 minutos do seu dia e inserir esta prática na sua rotina diária, assim como faz com os seus exercícios e refeições todo o santo dia.

A meditação é um instrumento de autorreflexão simples, mas que possui um poder enorme. Apesar de não oferecer a cura total para transformar sua vida, ela definitivamente tem o poder de transformar sua mente e seu coração, tornando-os mais expansivos e mais capazes de se adaptarem aos obstáculos que você enfrenta no dia a dia. Quanto mais você expandir a sua mente e o seu coração, maior será sua habilidade de permanecer presente no mundo sem que a vida e as dificuldades lhe pareçam uma batalha muito dura.

Há três estágios pelos quais as pessoas passam quando começam a praticar a meditação:

  • 1º Estágio: “De onde vêm todos esses pensamentos?”

Estamos tão acostumados com o ritmo agitado da nossa vida que o simples fato de sentar para meditar e sentir a própria respiração nos mostra que um mar de pensamentos está nos invadindo na velocidade da luz. Nunca temos tempo de nos observar internamente e nos surpreendemos ao encontrar tão rapidamente sentimentos de paixão, raiva, confusão, solidão e tantas outras variações que vêm à nossa mente.

Em uma sessão de dez a vinte minutos de meditação, podemos ter uma diversidade de pensamentos. Geralmente no estágio “De onde vêm todos esses pensamentos?” as pessoas se sentem frustradas porque acham que não estão chegando a lugar algum ou que a meditação não funciona para elas. Por milhares de anos, a meditação funcionou para inúmeras pessoas comuns, que acabaram se tornando verdadeiros mestres da meditação. Mas para você é meio improvável, certo?

A técnica básica da meditação consiste em manter uma postura ereta, conectar-se com o seu corpo e concentrar-se na sua respiração. A respiração serve como uma âncora que nos acomoda no momento, na experiência presente. Parece algo bastante simples, mas, após poucos minutos, começamos a notar nossa mente sendo direcionada para uma conversa que tivemos outro dia, ou formando uma lista de coisas que precisamos fazer – tudo isso bem na hora em que estamos meditando.

Quando esses pensamentos surgem, não devemos tentar evitá-los, mas sim admiti-los não como bons ou maus, mas apenas como pensamentos, observá-los de maneira superficial, e então trazermos nossa atenção gentilmente de volta para a sensação física da respiração. Para facilitar, podemos dizer mentalmente “pensando” para reconhecermos que não estamos fazendo algo horrível e que temos a habilidade de voltar à nossa respiração a qualquer momento, sempre que quisermos.

  • 2º Estágio: “Isso realmente acontece comigo às vezes…”

A meditação é um caminho de autodescoberta. Se aceitarmos os seus benefícios e seguirmos o exemplo de tantos outros atletas profissionais e empresários de sucesso e continuarmos a prática, também passaremos a nos distanciar daquele sentimento de que estamos sendo bombardeados por uma avalanche de pensamentos. Pelo contrário nos sentiremos em meio a um grande e poderoso rio de pensamentos. Não é um mau começo. Com o passar do tempo e com a prática, sentimos que aquela avalanche se transforma em um riacho afluente ou em uma corrente suave, que acaba por conduzir a mente ao despertar – uma lagoa grande, plana e sem nenhuma correnteza.

O processo gradual de adaptar-se novamente à respiração durante a meditação começa a desenvolver um espaço mental que, com o tempo, passará a se manifestar de forma natural em nossa vida diária sem que precisemos fazer nada. Na prática da meditação, aprendemos a reconhecer os nossos pensamentos sem agir sobre eles. Trata-se de um recurso extremamente útil quando vivemos em um mundo onde um e-mail indesejado ou um botão “excluir” pode acabar destruindo uma relação.

Afinal, quem nunca já se viu pensando em alguma pessoa ou colega de trabalho como um imbecil ou qualquer outro adjetivo negativo, e que ao menor movimento desta pessoa contra nós, agimos de maneira impulsiva sem pensar nas consequências?

Ao praticar o ato de estar presente em nossa experiência durante a meditação, tal prática se estenderá para as demais horas em que não estivermos meditando. Esperamos que, na próxima vez que encontrarmos aquela pessoa indesejada, ao invés de reagirmos com a resposta habitual e partirmos para o ataque, encontremos uma abertura, uma chance de não reagir como sempre fizemos no passado. E assim seremos capazes de permanecer presentes diante de qualquer situação.
Quando passamos por uma experiência como essa, podemos avançar para o segundo estágio pois sentimos que a meditação aos poucos nos permite acessar uma expansividade maior em nossa mente e em nossa vida diária. Isso acontece porque a meditação não é uma tentativa de pôr em prática uma versão ideal de quem somos, pelo contrário, é uma questão de sermos nós mesmos com as nossas próprias experiências, não importa quais sejam.

  • 3º Estágio: “A meditação é como uma droga pra mim agora!”

Já vimos que, ao criar uma situação mais ampla em torno dos pensamentos e emoções fortes que influenciam a nossa prática de meditação, tornamo-nos mais bem preparados para nos relacionar com eles em nosso dia a dia. Isso é bom. Tão bom que queremos continuar percorrendo este caminho na esperança de poder trazer equilíbrio para o nosso interior, para o nosso cotidiano e para o mundo à nossa volta.

Assim como muitos que levaram anos para descobrir uma técnica que funcionasse para eles, não podemos achar que a meditação mudará nossa vida da noite para o dia. Se você quer ter o corpo em forma, não pode esperar uma mudança radical depois de poucos dias praticando corrida ou após uma semana frequentando a academia. Você começa devagar: primeiro acostuma-se com os pesos e aparelhos, e vai adquirindo resistência sessão após sessão, ao longo de um determinado período. Você se sente mais motivado cada vez que consegue se superar.

O mesmo é válido para a nossa mente em relação à meditação. Não devemos esperar que em cinco horas de prática alcancemos a iluminação. Tampouco podemos praticar quinze minutos por dia durante uma semana apenas, e sentindo que ainda não estamos mais equilibrados e nem com o coração mais aberto que antes, desistir. Sessão após sessão, começamos a desenvolver a flexibilidade mental e a atenção plena que torna a nossa mente forte e sadia.

Precisamos começar treinando nossa mente de forma regular em sessões curtas, com o objetivo de construir a estabilidade que com o tempo, se estenderá para o resto de nossas vidas, incluindo o esporte.

Após isso irmão espartano, considero desconstruído algumas crenças sobre a meditação em cada um dos que se dispuseram a ler este artigo até aqui. Cremos que conseguimos convencê-lo de quão importante essa técnica é importante para trazer mais equilíbrio para a sua vida e maior desempenho e concentração para o esporte. Que tal começarmos a praticar a técnica?

FINALMENTE A TÉCNICA E AS RECOMENDAÇÕES PARA A MEDITAÇÃO:

Seguem algumas recomendações sobre como começar a deixar de lado a nossa velha colher de agitação e entrar em contato com a nossa bondade fundamental, estando presente, focado e concentrado.

1. Localização, localização, localização

Você precisa escolher um espaço ou canto em sua casa para meditar. É importante encontrar um lugar regular, confortável, calmo e limpo. Um local livre de distrações, espaçoso onde você possa se sentar ereto e de maneira confortável.

Não precisa ser um lugar silencioso, ou refúgio em uma natureza exuberante como praia, riachos ou florestas, a ideia é que você esteja apenas à vontade e possa ficar ali por um tempo, sem perturbação. Algumas pessoas compram almofadas para meditação, outras preferem pôr um travesseiro sobre um cobertor no chão, se você tiver problemas de coluna, poderá utilizar uma cadeira, não importa a sua escolha, as palavras de ordem são CONFORTO e PRATICIDADE.

2. O corpo

Sente-se sobre a cadeira ou almofada. Se você estiver sobre uma almofada, sente com as pernas cruzadas e bem espaçadas. Mas, se estiver sentado em uma cadeira, mantenha os dois pés firmes no chão. Você precisa sentir equilíbrio e firmeza na posição de meditação. A partir dessa base firme, você pode ajeitar a sua postura (do jeito que a sua mãe sempre pediu para você fazer). Não force o seu corpo, apenas atente-se á sua curvatura natural. Relaxe os braços e ombros.

Quando estiver na postura de meditação, lembre-se desse conselho. Não enrijeça os seus músculos como se fosse amarrá-los, fazendo um nó, tampouco os afrouxe como se estivesse pronto para dormir. Encontre o seu meio-termo.  Solte as mãos ao lado do corpo. Sem mover a parte superior dos braços, dobre-os na altura dos cotovelos e apoie as mãos sobre as coxas. Esta será uma boa posição para descansá-las. Com a cabeça ereta ou suavemente repousada para a frente. Relaxe os músculos da face na região ao redor dos olhos, nariz e mandíbula.

3. A respiração

O objeto da prática da meditação, sua base, e o que nos ancora no presente, é a respiração. Não é preciso forçá-la; a respiração flui naturalmente, então ´muito fácil colocá-la em sintonia. Além disso, manter a estabilidade da respiração tem um efeito calmante para a mente. A respiração também acontecendo no agora; ela sempre está no momento presente. E, como está sempre fresca, ela é um excelente apoio para nos manter concentrado no momento presente.

Volte a sua atenção para a sensação física da inspiração e expiração. Não mude ou intervenha na sua respiração de forma alguma, apenas permita que ela flua naturalmente, como sempre.

4. A mente

Inevitavelmente, você não mais se concentrará em sua respiração. Alguma situação urgente virá à sua mente e você vai sentir vontade de pular da almofada para resolvê-la ou ficará pensando nessa situação. Você também começará a reproduzir conversas que teve ou coisas que gostaria de dizer a outras pessoas.

Não se preocupe: todos que já meditaram desde o início da história da prática da meditação tiveram essas mesmas sensações. Todos passaram pelo primeiro estágio “De onde vieram esses pensamentos?”.

Na prática o que você deve fazer quando estiver perdido em seus pensamentos, emoções ou fantasias, é gentilmente retornar sua atenção à respiração. Para auxiliar você pode dizer “pensando” a si mesmo, como um lembrete de que está de fato pensando. Você não está dizendo que o seu pensamento é bom ou ruim, mas está apenas lembrando a si mesmo sobre o que deve realmente fazer: retornar e manter o foco em sua respiração.

Toda vez que algo aparentemente importante surge na minha mente durante a meditação, reflito a respeito e volto minha atenção imediatamente à respiração. Não importa o que surja, sempre retorno à respiração. Nenhum fuga é permitida, mas se ela ocorrer, seja gentil consigo mesmo e retorne a sua atenção a respiração.

5. O tempo

O fator mais importante é manter a sua sessão de meditação CURTA e REGULAR. Defina por quanto tempo você irã meditar antes de iniciar. Mesmo que você tenha apenas 10 minutos por dia, pratique e mantenha esse hábito DIARIAMENTE.

Haverá dias que você estará mais focado e sereno, e haverá dias que você estará mais agitado e ansioso, não importa, encare-os como dias de altos e baixos, apenas mantenha a prática todos os dias. Se você praticar uma ou duas horas em um mês, ela não terá nenhum efeito sobre você. Contudo, se praticar dez minutos por dia, com o passar do tempo você irá se acostumar e verá o resultado se propagar para o resto da sua vida.

A prática da meditação cria atenção plena, que consiste em simplesmente prestar atenção ao que está acontecendo, este é o maior impacto em nosso desempenho como atletas livres e amadores, mas por que não levar estes benefícios para os demais aspectos da nossa vida também?

Lembre-se: mente sã, em corpo são.
Aguarde que amanhã viremos com mais uma novidade em nossa canal de podcast com uma breve audio-aula de meditação guiada. Temos certeza que irão gostar, espartanos!

Artigos Relacionados:

E AGORA, QUE TAL PARTIR PRA PRÁTICA NESTA ÁUDIO AULA COM UM EXERCÍCIO DE MEDITAÇÃO GUIADA QUE PREPARAMOS NO NOSSO CANAL DE PODCAST ESPECIALMENTE PARA VOCÊ?

Sobre Autor

Gabriel Menezes

Fundador do Spartancast, Consultor e Especialista Internacional em Liderança, Alta Performance e Mindfulness com atuação na área esportiva e empresarial. Terapeuta Holístico (Registro Profissional CRTH-BR: 3128) e Professor de Mindfulness credenciado pela International Meditation Teachers Trainers Association (IMTA) e Membro Executivo do International Institute for Complementary Therapists (IICT) e Membro Profissional da American Mindfulness Research Association (AMRA). Master Trainer de Mindfulness da IMTTA e representante do SOMA Awakening Breathworks no Brasil.