Técnicas de Meditação: Qual é o Melhor Estilo para Você?

Técnicas de Meditação

Técnicas de Meditação

 

Além do mindfulness e outros estilo mais tradicionais, existem diversos tipos e técnicas de meditações com estilos e princípios bastante diferentes.  Neste 2º Artigo da Série Mindfulness e Técnicas conheça os estilos de meditação mais famosos e se identifique com o estilo que mais ressoe em você.

Apesar da maioria destes estilos estarem ligados com religiões orientais, a meditação mindfulness é uma forma secular de meditar sem estar preso aos aspectos dogmáticos e religiosos.

 

 

BUDISMO ZAZEN

A arte japonesa de ficar zen sem tentar gerir pensamentos ou emoções

Zazen literalmente significa “sentar zen”. Vinda do budismo de tradição japonesa, essa meditação é um tanto diferente das demais, já que, em vez de deixar sua mente vazia e apenas se concentrar na respiração, o praticante deve se tornar um observador de si mesmo e de tudo à sua volta.

É necessário deixar seus pensamentos e sentimentos irem e virem. Não há razão para tentar controlá-los ou eliminá-los.

Para praticar a meditação Zazen, procure um lugar tranquilo. Há várias maneiras de sentar-se: posição das bermudas, meia lótus, lótus completa, banquinho, cadeira. Em qualquer uma delas é importante que a coluna vertebral seja mantida ereta e o queixo um pouco para baixo, de forma que a região cervical fique reta.

Um detalhe importante é a posição das mãos. É necessário que elas formem uma elipse, que representa o cosmos em nós e nós no cosmos

Com as palmas voltadas para cima, apoie os dedos da mão esquerda sobre os dedos da mão direita, coincidindo as articulações. As pontas dos polegares devem tocar-se suavemente. Os dedões funcionam como um termômetro: se houver tensão, podem enrijecer-se; em caso de sonolência, podem separar-se.

Tendo assentado corpo e mente, foque em sua respiração. Sinta se está sendo abdominal ou torácica. Perceba seus batimentos cardíacos. Ouça todos os sons, próximos e distantes. Sinta as fragrâncias do local.

Descubra o ar, sua textura, sua temperatura. Observe seus pensamentos: como se formam e desaparecem. Veja se pensa em palavras, músicas, cores, imagens. Qualquer emoção que surja deve ser notada, assim como seu término. O mesmo vale para as memórias.

De acordo com a Monja Coen, uma das mais famosas líderes do zen-budismo brasileiro, o Zazen deve ser praticado de acordo com a sua realidade. Praticantes assíduos podem permanecer 30 ou 40 minutos meditando. Para quem nunca praticou nenhuma forma de meditação, até mesmo cinco minutos podem ser suficientes. Não tenha pressa em querer sentar por longos períodos.

A posição dos dedões da mão enconstando um no outro funciona como um termômetro para você ficar focado e não adormecer

meditação zazen budismo

 

 

BUDISMO VIPASSANA

A iluminação por meio de uma silenciosa jornada ao interior da mente

Ver as coisas como realmente são. Esse é o significado da palavra “vipassana”. A antiga técnica de meditação indiana esteve perdida durante séculos e foi redescoberta por Siddhartha Gautama, o Buda, há mais de 2.500 anos. A tradição foi passada por vários professores e hoje é praticada ao redor do mundo.

A meditação Vipassana é uma jornada ao interior do corpo e da mente. Ela serve para entender a forma como você realmente é, e não como querem que você se veja. Ver as coisas como elas são produz a compreensão correta e a sabedoria. Sendo assim, a ignorância e o sofrimento são eliminados.

A Sociedade Vipassana indica duas formas para praticar a terapia. A primeira delas é a meditação sentada. Não há uma posição indicada para o processo: apenas fique confortável e mantenha as costas retas

Depois, tranquilamente, feche os olhos e atente para a respiração. Observe como ela começa, quando o ar passa pelas narinas ou pelo lábio superior. Mantenha sua atenção fixa até o final do exercício.

A outra modalidade é a meditação caminhando. Isso significa observar a própria experiência de caminhar. Concentre-se nas sensações que se produzem nos pés, nas pernas ou, ainda, sinta o movimento de todo o corpo.

A intenção é não ter o objetivo de se locomover de um lugar a outro. Então, pratique em um local onde não possa ser observado, como em seu quarto ou na sala.

Quanto mais se pratica a meditação Vipassana, mais as fontes internas e externas de conflito, confusão e sofrimentos físico e psicológico são percebidas, enfraquecidas e, finalmente, transcendidas.

Com isso, o praticante percebe um bem-estar físico e mental se desenvolver juntamente com um sentimento de bondade e de compaixão consigo e com todos os seres.

Técnica indiana, redescoberta pelo Buda há mais de 2.500 anos, pode ser praticada sentado ou caminhando.

Retiro Para Silenciar

A técnica do mestre hindu S.N. Goenka (1924-2013) é ensinada em cursos intensivos de dez dias. Os estudantes se instalam no templo para seguir uma rotina rígida. E em silêncio.

Isso porque os praticantes devem abster-se totalmente da comunicação com os outros, mesmo que por intermédio de gestos ou olhares. O intuito é buscar o silêncio mental.

meditação budismo vipassana

 

 

BUDISMO KADAMPA

A arte de cultivar pensamentos positivos para ter paz, pureza e felicidade plena

O Kadampa é uma tradição que torna os ensinamentos de Buda e as práticas de meditação acessíveis para pessoas de todo o mundo. Seu principal objetivo é cultivar os estados da mente e ajudar o praticante a tornar decisões por meio da transformação dos pensamentos negativos em positivos.

Segundo seus princípios, se a consciência de uma pessoa estiver pura e em paz, ela será feliz. E o método para alcançar tal condição é treinar a meditação.

De acordo com a União Budista Internacional Kadampa, existem 21 técnicas meditativas que são divididas em cinco partes: preparação, contemplação, meditação, dedicatória e prática subsequente.

Conforme a pessoa avança nos estágios, os estados da mente se tornam mais pacíficos e benéficos. A conclusão é o caminho budista completo que leva à iluminação

O primeiro estágio do Kadampa é chamado de prática preparatória e consiste em treinar a respiração. Para tanto, é preciso sentar-se em postura de meditação: pode ser a tradicional, com pernas cruzadas, ou outra posição confortável em uma cadeira ou poltrona.

Vale lembrar que é importante manter a coluna reta, a fim de evitar desgaste mental ou sono.

Depois, com os olhos parcialmente fechados, preste atenção em sua respiração. Perceba o ar entrando e saindo pelas narinas. Se notar que sua mente está divagando, volte a direcioná-la para o ritmo respiratório.

Repita esse procedimento quantas vezes forem necessárias até que consiga se concentrar de fato. Em seguida, pense em algo bom e se concentre apenas nesta cena.

É necessário treinar essa prática preliminar até obter alguma experiência e, então, poder passar para as outras meditações do ciclo descrito pela União Budista Internacional Kadampa.

Nova Tradição Kadampa foi fundada na Inglaterra, em 1997, para disseminar 21 práticas meditativas no Ocidente

Do Mestre para o Mundo

O venerável Geshe Kelsange Gyatso — afetuosamente chamado de Geshe-la — é o principal responsável pelo reflorescimento mundial do Kadampa. O mestre e erudito estabeleceu três programas especiais para estudo e prática da terapia e fundou mais de mil centros de meditacão ao redor do mundo.

Ele também está por trás de um projeto que prevê construir templos budistas em cada metrópole do planeta.

Meditação Budismo Kadampa

 

 

HARE KRISHNA (JAPA)

Amor e proteção divina por meio do poderoso cântico maha-mantra

A forma de meditação mais tradicional na religião Hare Krishna, recomendada na Bhagavad-gita (célebre texto da tradição indiana), é a meditação mântrica, também chamada de Japa.

Na prática, deve-se entoar o seguinte mantra: Hare Krishna. Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare — caso você não saiba pronunciá-lo, vale ouvir o cântico Mantra, de Nando Reis no youtube (clique aqui).

A palavra Hare é uma invocação para Radha, o aspecto feminino de Deus. Krishna é um nome de Deus, cujo significado é ‘o Todo-Atrativo’. E Rama, outro nome sagrado, significa ‘fonte de bem-aventurança’. Esses são os sons sagrados do maha-mantra, o mais poderoso de todos na tradição do ioga

Explica Giridhari Das, mestre espiritual e instrutor na consciência de Krishna. O cântico serve como um meio para estabelecer uma conexão com Deus e tem o intuito de atrair o amor e a proteção divina.

Para a meditação mântrica, você deve usar como guia o Japamala, um cordão que acumula energia. Tradicionalmente, ele tem 108 contas. O praticante deve segurar a primeira bolinha entre seu polegar e o dedo médio e entoar o cântico. Repita o processo até completar a volta.

Quando fui iniciado, fiz o voto de entoar o maha-mantra 1.728 vezes ao dia, o equivalente a 16 malas completos mas recomendo que o iniciante foque em uma quantia específica de tempo, começando com o mínimo de 20 minutos

Conta Giridhari.

Na hora da meditação, o praticante deve sentar-se sobre uma almofada com as pernas cruzadas, como um índio, ter as costas retas e os ombros relaxados. Se preferir, use uma cadeira. Seus pés devem estar firmes sobre chão e a coluna, sem tocar o encosto. Depois, basta entoar mantra. Você poderá repeti-lo mentalmente, sussurrando ou em alto e bom som.

Cordão de 108 contas acumula energia e serve como guia na hora de entoar o mantra sagrado repetidas vezes

Faça seu Japamala

O seu cordão é algo pessoal. Por isso, depende de você se será feito com sementes, pedras ou bolinhas de madeira. Após escolher o material, pegue um pedaço de algodão encerado e encaixe as 108 contas.

Não se esqueça da conta central, que marca o inicio e o fim do Japamala. E importante mentalizar o maha-mantra enquanto realiza a tarefa. Também dá para fazer cordões de 54 ou 27 contas, que são práticos para levar em aviões, metrôs e outros espaços públicos.

Meditação Hare Krishna

 

 

DANÇA CIRCULAR SAGRADA

Meditação em movimento de maneira lúdica e terapêutica

A Dança Circular Sagrada, também conhecida como Dança dos Povos, resgata urna tradição ancestral. Antigamente as comunidades se reuniam em círculo para celebrar rituais de passagem, como nascimento, matrimônio, morte e outros momentos importantes da vida humana.

A prática foi recuperada pelo coreógrafo alemão Bernhard Wosien em 1976, época em que ele percorreu o mundo atrás de referencias de danças folclóricas com a ideia de desenvolver uma meditação que fosse mais orgânica.

Hoje, a Dança Circular Sagrada até faz parte das práticas integrativas e complementares oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Sua proposta é integrar corpo, mente, emoção e espiritualidade por meio de uma atividade que alinha arte, movimento e meditação de uma maneira lúdica e terapêutica

Revela Deborah Duhner, criadora do portal Dança Circular.

Embora exista uma grande gama de Danças Circulares, que reúnem diferentes gestos, movimentos e ritmos, todas seguem basicamente um mesmo processo. O focalizador (pessoa que cuida do foco da roda e ensina as danças) mostra o passo, treina com o grupo e depois todos dançam juntos.

“No entanto, o aprendizado não se apoia no desempenho, no ‘ter que fazer certo’. O que queremos é que cada participante traga suas qualidades e dê o melhor de si para a roda: presença, tolerância, alegria, acolhimento, apoio”, explica Deborah.

Não pense, porém, que a Dança Circular seja só um divertimento. Ela é, sim, uma atividade terapêutica.

“Trata-se de uma meditação em movimento, que convida a pessoa a entrar em um estado de presença profundo. A música acalma a mente, traz sentimento de pertencimento e conexão com o todo. O resultado é uma sensação de prazer e bem-estar amparada pelo silêncio interior que desperta o sentido do viver”, diz Deborah.

Para participar de uma aula, basta descobrir um focalizador próximo a você.

Técnica desenvolvida pelo coreógrafo Bernhard Wosien em 1976 já pode ser encontrada no Sistema Único de Saúde

Saúde e União de Mãos Dadas

Primeiro, aprende-se o passo, que deve ser treinado em uma roda. Depois, passa-se a dançar a música para internalizar os movimentos e liberar a mente, o corpo e o espírito. Desde que chegou ao Brasil, na década de 1990, a Dança Circular Sagrada se espalhou por escolas, parques, hospitais e até empresas.

Um dos objetivos é instigar o sentimento de união em grupo. De mãos dadas, os indivíduos têm a oportunidade de aquietar suas emoções, aprimorando a concentração e a memória.

No Recife(PE), a Unidade de Cuidados Integrais à Saúde (UCIS) Professor Guilherme Abath oferece encontros de Dança Circular Sagrada para prevenir e tratar doenças. As rodas são formadas por pessoas com ou sem encaminhamento médico, de todas as idades, gêneros e condições físicas.

E aí, o que achou destes estilos de meditação? Quer conhecer e praticar uma técnica de meditação secular, sem nenhum tipo de conexão religiosa e bastante simples ao acesso de todos?

mindfulness

Sobre Autor

Gabriel Menezes

Fundador do Spartancast, Consultor e Especialista Internacional em Liderança, Alta Performance e Mindfulness com atuação na área esportiva e empresarial. Terapeuta Holístico (Registro Profissional CRTH-BR: 3128) e Professor de Mindfulness credenciado pela International Meditation Teachers Trainers Association (IMTA) e Membro Executivo do International Institute for Complementary Therapists (IICT) e Membro Profissional da American Mindfulness Research Association (AMRA).