fbpx

O que Tem em Comum um Empreendedor X Esportista

Empreendendo pelo esporte

Lembra quando começou a sua jornada esportiva? Quantas vezes pensou em parar a cada fracasso e decepção? Mas o que o impediu de parar? Sem dúvida, foi ver o quanto já tinha alcançado e que cada passo te levava mais perto do que buscava.

Em termos simples, todos os que praticam esportes, e que levam a sério o desempenho e evolução, são empreendedores.

Segundo o SEBRAE, o ato de empreender é um processo que exige uma série de atitudes que são fundamentais para se atingir o sucesso. O empreendedor precisa ser capaz de executar o que se propõe com muita vontade, determinação, competência e uma boa dose de ousadia. Não medir esforços para alcançar seus objetivos e ser consciente de que só se chega lá à custa de muito trabalho, dedicação e foco.

Mas estamos falando de esporte ou de negócios?

Bem, muitas matérias e estudos são feitos sobre como a prática e dedicação ao esporte podem ser usados como exemplo para ter um negócio bem sucedido e até mesmo inovar no meio comercial. Mas pouco se fala do contrário.

Investimos nosso tempo e esforço em sermos cada vez melhores. Queremos sempre refinar nossas habilidades e não pensamos duas vezes em nos sacrificarmos nessa dedicação. Reeducamos nossa alimentação e nossa atitude, mudamos hábitos, encontramos novos caminhos e remodelamos nosso corpo.

Como Atletas Amadores, desenvolvemos qualidades que são muito melhores que as necessárias no campo comercial.

A motivação é diferente e isso leva a um resultado totalmente surpreendente. A competição no mundo dos negócios pode por exemplo levar a uma concorrência anti ética muitas vezes pautada pela corrupção, o que começa com boas intenções acaba no final distorcendo o significado da expressão Razão Social, se tornando simplesmente um meio de lucrar a qualquer custo e de explorar a mão de obra de outros.

Por outro lado no caso do Atleta Amador, “competir” com outros é a maneira mais saudável de progredir e criar laços de amizade sinceros, baseados no bem comum. Quando vemos a alegria de um Atleta por sua realização, não pensamos que poderíamos estar no lugar dele mas nos alegramos porque enfrentamos as mesmas dificuldades e desafios. Quando estamos juntos, não queremos ser melhores que nosso companheiro, queremos incentivá-lo a ir mais longe, melhorar sua técnica e se superar.

Mas podemos fazer uma comparação positiva entre empreender no mundo comercial e empreender no esporte.

Quando alguém começa a empreender tem que se dedicar de corpo e alma e investe muito mais que dinheiro para atingir seus objetivos. Outros à sua volta, por não terem a visão total do que está sendo feito, podem julgar mal ou presumir que é tudo uma perda de tempo, mas quando o empreendedor consegue alcançar o sucesso, estas mesmas pessoas “não conseguem entender como ele chegou nesse patamar”, e por não terem ideia das dificuldades enfrentadas, depois de um tempo apenas enxergam o que está à sua frente, muitas vezes atribuindo o sucesso do empreendedor até mesmo à própria sorte, essas pessoas se atentam apenas ao palco do sucesso e não aos bastidores que o levaram a conseguir aquilo.

No esporte também é assim, as pessoas à nossa volta nos chamam de loucos, outros nos “incentivam” sem estar dispostos a nos acompanhar na jornada, mas depois que chegamos lá, nos olham com aquele ar de descrença, e muitas vezes já tem frases prontas tais como: “Mas você é mais leve”, “você é menor”, “você tem tempo”, “na minha idade não dá mais”, e por aí vai. E sabe o que é mais interessante? Eles se esquecem de todo o nosso esforço e dedicação, esquecem dos sacrifícios e sofrimentos, esquecem da nossa força de vontade e determinação, mas nós não, e justamente por isso continuamos sempre em frente trabalhando no maior empreendimento que já recebemos: Nosso corpo e mente.

Fonte:

  • http://www.sebrae.com.br/ sites/PortalSebrae/bis/Por- que-empreender%3F

 

Sobre Autor

Gabriel Menezes

Fundador do Spartancast, Consultor e Especialista Internacional em Liderança, Alta Performance e Mindfulness com atuação na área esportiva e empresarial. Terapeuta Holístico (Registro Profissional CRTH-BR: 3128) e Professor de Mindfulness credenciado pela International Meditation Teachers Trainers Association (IMTA) e Membro Executivo do International Institute for Complementary Therapists (IICT) e Membro Profissional da American Mindfulness Research Association (AMRA). Master Trainer de Mindfulness da IMTTA e representante do SOMA Awakening Breathworks no Brasil.