fbpx

2 Estratégias Infalíveis Para Treinar o Corpo, Não o Ego!

Treine seu Corpo Não o Ego

Muitas pessoas buscam o corpo perfeito, aquele shape bacana pra sair bem na foto, e quando elas finalmente conseguem, acabam desenvolvendo uma grande autoestima e autoconfiança, o que por si só é muito bom! Mas você já parou pra pensar que auto estima em excesso pode ser prejudicial?

Bem, sem querer generalizar, se não ficarmos atentos com isso também vem o nosso “maior vilão”: o ego inflado. E digo isso com conhecimento de causa, pois quando era gordinho eu realmente me esforçava para ser aquele cara divertido, que buscava agradar a todos. No entanto, após o meu processo de transformação quando já tinha conquistado o tão sonhado abdômen trincado, acabei me desconectando do meu ‘eu autêntico’, e deixei este excesso de confiança e estima me mudar profundamente. Isto fez com que eu me afastasse de amigos e familiares, pois estava muito focado no “EU”, e a minha opinião e estilo de vida prevalecia aos demais.

Autoconfiança e auto estima em excesso podem ser prejudiciais:

Precisamos ficar presentes para este conceito: a autoconfiança e autoestima são muito importantes para acreditarmos no que fazemos, mas devem ser comedidas para não soar como arrogância e egocentrismo, afastando com isto várias pessoas ao nosso redor, afinal quem aguenta aquele tipo de pessoa que fala de si mesmo ou de suas opiniões o tempo todo, mas não está disposto a ouvir os outros? Além disso, a autoconfiança e autoestima excessivas podem te bloquear de aceitar opiniões, críticas e sugestões, bem como aprender coisas novas.

Segundo Edward Deci,  autor do livro “Why We do What We do”…

Se algumas das aspirações externas (dinheiro, fama e beleza), forem mais altas numa pessoa em comparação às suas aspirações internas (relacionamentos significantes, crescimento pessoal e contribuição para uma comunidade) é bem provável que este sujeito tenha uma baixa saúde mental. Os psicólogos identificaram em pesquisas conduzidas com diversos pacientes, que esse forte desejo pelo sucesso está associado à depressão, narcisismo, ansiedade e as baixas condições de se socializar, enquanto que as internas estão relacionadas à felicidade e bem estar.

Com isto fica fácil concluir que quando buscamos uma transformação física para somente nos auto afirmar, a vaidade destrutiva é inevitável, e acabamos caindo naquele tipinho estereotipado da academia que passa uma impressão de superficial que não tem nada a agregar… Sabemos, no entanto, que isto não é uma regra, mas infelizmente ainda são muitos os que caem na armadilha do ego, pois não estão atentos para o quanto ele pode ser prejudicial.

A história de Narciso – Nasce a lenda, o Narcisismo:

NarcisoE falando de ego, falando dos seus extremos, deixe-me compartilhar a história do Narciso, que resultou no conceito da psicologia do Narcisismo. Narciso era um homem muito bonito, ele atraia a atenção das mulheres, dos homens, de todos ao seu entorno. Só que ele era muito arrogante, ele afastava as mulheres que chegavam perto dele, afastava todo mundo que estava próximo. E aí, a lenda conta que a Deusa Afrodite olhando essa cena o amaldiçoou com uma punição ao seu comportamento antissocial. Adivinha qual era a maldição? Ele iria se apaixonar loucamente por ele mesmo… Então Narciso olha pela primeira vez através do reflexo da água, e realmente se apaixona por sua imagem. Logo ele começa uma conversa, e começa a tentar fazer aquele reflexo falar com ele. Obviamente ele não conseguiu nada, até que um dia mergulhou em seu reflexo no rio, para nunca mais voltar. E assim nasce o mito do Narcisismo, que é você se amar excessivamente.

Narciso vem do grego “Nark” que significa entorpecido…

o narcisista, segundo a psicologia, é aquela pessoa excessivamente centrada em si mesma, que tem a visão inflada de suas próprias habilidades. É como naquelas cenas de desenhos que o gato se olha no espelho e vê um leão enorme e forte. O narcisista não é só seguro de si, ele é excessivamente confiante, ele é vaidoso, materialista e antissocial, ele sente que tem mais direito do que os outros e com isso não consegue manter bons relacionamentos.

Tire o foco do “EU” e foque no “NÓS” seguindo as Duas Estratégias abaixo:

Para evitar isto precisamos primeiro estar conscientes do quão a nossa mudança está afetando as pessoas… Elas estão se afastando de você, ou se aproximando? É claro que existem as pessoas com aquele baixo estado de espírito, muitas das vezes motivado pela inveja! Mas preste atenção, quando todo mundo que fazia parte da sua “vida antiga” começa a se afastar… Quando isso acontecer é importante ligar o alerta, pois pode ser que suas atitudes não estejam agradando a todos, e o seu ego inflado não lhe permite tirar o olho de si mesmo e atentar para os outros. Também é importante entender que a humildade é uma característica essencial para buscarmos cada vez mais aprendizado para evoluir sempre.

E caso perceba que está sendo egocêntrico demais, tire o foco de você mesmo através de duas práticas:

  • Gratidão aos outros;
  • E pare para pensar nas infinitas conexões que temos com o mundo: ‘o nosso celular foi montado na china, nossa comida vem de uma fazenda, nossa roupa de uma confecção, etc’. Ou seja, dependemos de outros para ter o que precisamos para sobreviver.

A independência total é um mito! Fique presente para isto. Quanto mais consciência temos disso, maior conexão geramos com as pessoas, e a nossa transformação começa a afetar os demais positivamente, e ao invés de nos tornar aquela pessoa a ser invejada (e talvez odiada), nos transformamos em pessoas a serem admiradas e seguidas.

Treine o seu corpo, pratique a humildade e a gratidão. INSPIRE!

Sobre Autor

Gabriel Menezes

Fundador do Spartancast, Consultor e Especialista Internacional em Liderança, Alta Performance e Mindfulness dando treinamentos corporativos em todos os continentes do mundo. DJ, Terapeuta Holístico (Registro Profissional CRTH-BR: 3128) e Professor de Mindfulness credenciado pela International Meditation Teachers and Therapists Association (IMTTA), Membro Executivo do International Institute for Complementary Therapists (IICT) e Membro Profissional da American Mindfulness Research Association (AMRA). Diretor e Representante da IMTTA no Brasil formando mais de 200 Professores de Meditação e Terapeutas. CEO do SOMA Awakening Breathworks nos Países de Língua Portuguesa.