fbpx

Duas Perguntas Poderosas para se Fazer no Início do Ano

Duas perguntas poderosas

Duas perguntas poderosas

Comece com a Auto Compaixão

Se a única prece que você faz é Obrigado, isto será o suficiente ~Eckhart Tolle

Mais um ano se passou com coisas boas e ruins, altos e baixos – e tudo isso faz parte da vida, certo? Mas agora é a hora de um ano novo em folha – um período onde é comum traduzirmos nossas esperanças, desejos e sonhos e traçarmos resoluções para um novo ano. E isso é muito bom por si só, se mantendo engajado, comprometido e criando uma visão positiva de qualquer que seja aquilo que desejamos alcançar faz com que sigamos em frente com uma esperança renovada.

Dizem que o futuro pertence aqueles que conseguem vê-lo chegando, e eu sinto isso como uma verdade. Um sonho sem ação não passa de um sonho.

No entanto, eu estou aqui para destacar um erro que eu costumava repetir no passado. Toda vez que eu entrava em um novo ano, eu costumava pular nele fazendo planos renovados e traçando metas para mim mesmo.

Mas o que eu deixava passar batido era olhar para o ano que passou com todo o seu pacote para então focar no seu o saldo positivo, observando os resultados e sucessos que atingi, bem como os fracassos como novos aprendizados e até mesmo como bençãos disfarçadas.

Questionamentos para se Fazer no Início do Ano

Aqui estão duas perguntas poderosas que eu passei a me perguntar cada vez que estou entrando em um novo ano:

1. Qual foi o meu maior orgulho no ano que se passou?

Como um  exímio ex-perfeccionista, eu costumava me colocar para baixo e minimizar minhas realizações, como se “não fosse nada grande ou especial” ou “qualquer outra pessoa poderia ter conseguido”. Eu costumava atribuir minhas conquistas a sorte, destino ou a outras pessoas que me deram infinitas chances de sucesso.

Duas Perguntas Poderosas 1

É um momento para um novo ano de esperanças, desejos e sonhos

 

Quando estamos lutando com essa necessidade frustrante de perfeição, nada parece bom o suficiente, e estamos sempre procurando mais para fazer, para nos sentirmos felizes e satisfeitos. E a verdade é que nunca chegaremos lá porque sempre iremos querer mais.

Hoje, aprendi a reconhecer e a celebrar a mim mesmo, da mesma forma que faço com as outras pessoas. Parei de me dar por garantido ou me tornar pequeno para que os outros se sentissem bem perto de mim. Isso não é egoísta, mas justo. Como todo mundo, eu também sou uma pessoa, digna da minha gratidão, compaixão e auto cuidado. Isso não é sobre Ego, arrogânia ou exibicionismo. É sobre o fato de que, em muitos casos, tem havido muito trabalho e esforço por trás da minha percepção de sorte.

2018 foi agitado. Pedi demissão do meu emprego, mudei de apartamento. Tive que buscar formas de alavancar o meu negócio, atingir novos clientes, muitos projetos novos, cursos para criar e formações para participar,  diversas questões administrativas para lidar e o estresse. Eu nunca havia percebido o quão resiliente nos tornamos diante de situações desafiadoras e como somos capazes de lidar com a mudança.

Se você também costuma se dar por garantido, estou convidando você para um breve período de reflexão sobre o seguinte tópico:

Minhas principais realizações em 2018 foram:

Eu estou mais orgulhoso de:

Eu me reconheço por:

Duas Perguntas Poderosas 2

Celebre e agradeça a si mesmo da mesma maneira que faz com as outras pessoas.

Lembre-se, não precisa ser grande, como salvar a vida de alguém. Não importa quão pequeno seja, coloque-o na sua lista. Podem ser novas habilidades que você adquiriu, uma transformação atingida em você, novos hábitos desenvolvidos, mudando para uma nova casa, ajudando alguém ou a si mesmo, saindo de sua zona de conforto ou fazendo mudanças que tenham um impacto positivo em sua vida. Anote tudo, relacionado à vida pessoal e profissional.

E depois de ter feito a sua lista, é hora de comemorar. Faça algo especial para si mesmo, mime-se com algo que você goste. Compre algo legal para você. Mime-se com uma massagem. Faça o que te faz se sentir bem. Só então; porque você quer, e porque você vale a pena.

2. Qual foi o meu principal aprendizado?

Dois anos atrás, eu estava preso em um emprego que não me satisfazia mais. Estava extremamente estressado e depressivo e não via uma luz no fim do tunel… Me via completamente desconectado de mim mesmo e do meu propósito de vida.

Eu simplesmente não conseguia enxergar como eu poderia sair daquilo, pensava que eu jamais poderia viver sem um salário fixo, participação nos lucros da empresa, benefícios como carro, telefone, viagens ao exterior, aumentos todos os anos e outras regalias.

Eu realmente acreditava que se eu saísse do meu emprego o meu estilo de vida cairia e eu não teria como me sustentar.

Mas veja só em 2018 eu resolvi dar o salto de fé e focar na minha empresa, no meu sonho de te motivar a ser melhor que ontem todos os dias atingindo uma transformação definitiva através do auto conhecimento proporcionado pela meditação.

E ao invés do meu estilo de vida cair, ele melhorou, consegui conquistar e alcançar coisas que eu jamais conseguiria em 1 ano em meu antigo emprego, conheci novos países fazendo o que mais amo: dando treinamentos e ajudando a formar líderes mais humanos. E posso dizer sem medo, este foi talvez o ano mais feliz da minha vida!

Duas Perguntas Poderosas 3

Pratique a gratidão para tudo na sua vida aqui e agora.

 

Eu escolhi acreditar que vivemos em um Universo de apoio, onde tudo acontece para o meu bem maior. Eu aprendi a parar de pedir o que eu quero e, em vez disso, começar a pedir o que eu preciso.O Universo quer que eu ajude aos outros através de uma mensagem de gratidão, compaixão e presença que me transformou completamente.

E eu sou grato por isso e aceito a minha missão de coração aberto me comprometendo a me dedicar a isso todos os dias da minha vida com muito carinho e um desejo sincero de transformar o mundo em um lugar melhor.

Tudo está bem no meu mundo. A vida me ama, eu estou segura. ~Louise Hay

No lado negativo, foi um ano de muito trabalho, estresse e insegurança, todos os treinamentos que eu havia criado e tentado comercializar não deram certo. Investi pesado sem retorno nenhum em vendas, talvez porque eu ainda não tivesse a autoridade suficiente no assunto ou as pessoas não confiassem no meu trabalho.

Lembro-me da fé que tive que cultivar em mim mesmo todos os dias. Lembro-me de cada momento de dúvida que eu compensava com trabalho duro e a criação de novos cursos e treinamentos. Houveram momentos que perdi a fé se eu realmente iria conseguir seguir em frente nesse caminho, se conseguiria mesmo manifestar a realidade conectada com o meu propósito que tanto desejava na minha vida.

Eu entrei no modo de sobrevivência onde eu acreditava que se eu quisesse me sustentar teria que trabalhar cada vez mais duro, e com isso parei de me abrir aos pequenos prazeres da vida e ao meu auto cuidado.

Lidar com tudo isso foi como um alerta para mim. Eu estava quase caindo na armadilha do estresse novamente, projetando a minha vida em um futuro imaginário, abrindo mão da única realidade que existe: o aqui e agora.  Eu costumava ter pensamentos como: “Seu eu conseguir criar um curso assim, conseguirei ter vendas suficientes e alcançar a paz de espírito para voltar a me divertir”.

Mas quando eu aprendi a relaxar e curtir um pouco mais a jornada, eu percebi o Universo se abrindo para mim e os desejos que eu havia manifestado começaram a se tornar realidade.

Hoje sei que não posso me esquecer de ser grato por tudo o que consegui na vida: por uma namorada e uma família amorosa, grandes amigos (não muitos, mas verdadeiros). Para um corpo saudável e uma mente saudável. Para a casa em que eu moro, boas férias que posso pagar, para fazer o trabalho que amo e acredito. Caro Universo, por tudo isso, eu digo gratidão.

Por tanto te convido a fazer o mesmo, medite por uns breves instantes, olhe para o seu 2018 e faça essas duas perguntas poderosas a você mesmo. E não deixe de anotar os insights que vierem destas perguntas em algum lugar. Depois compartilha comigo o que achou desta reflexão!

Quer conhecer a meditação na prática? Então clique na imagem abaixo!

Desafio de 8 Dias de Meditação

Sobre Autor

Gabriel Menezes

Fundador do Spartancast, Consultor e Especialista Internacional em Liderança, Alta Performance e Mindfulness com atuação na área esportiva e empresarial. Terapeuta Holístico (Registro Profissional CRTH-BR: 3128) e Professor de Mindfulness credenciado pela International Meditation Teachers Trainers Association (IMTA) e Membro Executivo do International Institute for Complementary Therapists (IICT) e Membro Profissional da American Mindfulness Research Association (AMRA).